(62) 3877-3223 / (62) 3089-5400

METÁFORA E OUTRAS COMPARAÇÕES

Postado em 05/11/18
METÁFORA E OUTRAS COMPARAÇÕES

Assunto que não falta em qualquer prova que se preze é a lógica que envolve a metáfora e outras comparações. Às vezes, nem aparece a figura metáfora de maneira explícita, mas, normalmente, a lógica semântica constitutiva da metáfora está lá, elaborando a questão.

Mas, afinal, que lógica metafórica
é essa?

Antes de começarmos, você deve lembrar uma coisa: semântica quer dizer sentido. Assim, as figuras seguintes associam-se à construção significativa e, como são figuras, relacionam-se, muitas vezes, é claro, ao aspecto figurado. Elas estão presentes em textos de diversas naturezas, como poemas, propagandas e outros.

Comparação (ou símile)
A comparação estabelece uma explícita relação de aproximação (semelhança) entre dois termos.
Michael Phelps nada como um peixe.
No exemplo acima, percebemos:
• Um termo A: Michael Phelps.
• Um termo B: peixe.
• Um termo comparativo: como (poderia ser outro: tal qual, assim como, semelhante a, que nem etc.)
Percebeu? No exemplo, Michael Phelps é um bom nadador e isso faz com que ele seja comparado a um peixe. Além do mais, o termo comparativo é fundamental nessa figura pela necessidade de deixar explícita a comparação.
Agora, para ficar ainda mais claro, é importante saber o que é campo semântico. Esse conhecimento, inclusive, ajudará você a compreender diversas outras figuras.
De forma simplificada, pode-se falar que o campo semântico de um termo é o conjunto de palavras que pertence ao universo significativo desse termo.
Por exemplo, quando penso em Michael Phelps, penso em palavras como: olimpíadas, medalhas, americano, fenômeno, natação, nadar, água etc.
Quando penso em peixe, penso em palavras como: almoço, pescar, piracema, saudável, espinha, nadar, água etc.
Ou seja,

Viu só? Toda comparação é construída por meio de semelhanças, ou seja,
toda comparação é uma intersecção de campos semânticos; é essa intersecção
que estabelece a aproximação de significados, pois é ela que encontra as semelhanças
significativas entre um termo A e um termo B.

Metáfora (do grego metaphorá, pelo latim metaphora)

A metáfora é uma comparação implícita, ou seja, é uma comparação que não explicita um termo comparativo. Por isso, nessa figura, a relação de comparação é estabelecida mentalmente.

Existem dois mecanismos linguísticos que permitem a construção da metáfora:
Mecanismo I (mais simples)

Nesse caso, a frase deixa implícito o elemento comparativo e mantém os termos comparados.

Michael Phelps é um peixe.

No exemplo acima, percebemos:

• Um termo A: Michael Phelps.
• Um termo B: peixe.

Viu só? O termo comparativo ficou implícito (perceba também que ficou implícita a palavra que estabelece a semelhança: nada). Diferentemente do que aconteceu na comparação simples, na metáfora, o processo comparativo não é estabelecido por uma palavra.

Mecanismo II (mais elaborado)

Nesse mecanismo, além da comparação mental, percebe-se uma substituição.

Nesse caso, portanto, na frase, só um dos termos fica explicitado. Assim, é claro que, sendo esse recurso mais elaborado, sua dependência do contexto é maior.

Nas Olimpíadas de 2008, em Pequim, era só o peixe entrar na piscina que a chance de medalhas era praticamente certa.

No exemplo acima, percebemos:

• Um termo B: peixe.

E agora? Não foi apenas o termo comparativo que ficou implícito. O termo A também está subentendido; ou melhor, ele foi substituído pelo termo B. Perceba que, no exemplo, peixe poderia ser substituído por Michael Phelps; mas, se isso acontecesse, a linguagem figurada desapareceria.

Para finalizar, olhe só este exemplo; trata-se de questão ENEM.

Disponível em: http://www.wordinfo.info. Acesso em: 27 abr. 2010.

O argumento presente na charge consiste em uma metáfora relativa à teoria evolucionista e ao desenvolvimento tecnológico. Considerando o contexto apre-sentado, verifica-se que o impacto tecnológico pode ocasionar

a) o surgimento de um homem dependente de um novo modelo tecnológico.

b) a mudança do homem em razão dos novos inventos que destroem sua  realidade.

c) a problemática social de grande exclusão digital a partir da interferência  da máquina.
d) a invenção de equipamentos que dificultam o trabalho do homem, em sua esfera social.
e) o retrocesso do desenvolvimento do homem em face da criação de ferramentas como lança, máquina e computador.

Comentário:
Na charge, há uma interessante metáfora que relaciona a “teoria evo-lucionista à evolução tecnológica”. Na verdade, essa explicação já foi dada pela própria questão, que, é claro, não perguntará sobre isso. A questão é a seguinte: Que ideia a metáfora da charge quer transmitir?
Na imagem, a palavra tecnologia não está associada apenas ao compu-tador; ela diz respeito às variadas ferramentas utilizadas pelos indivíduos representados. Perceba que o homem do centro é o que chegou ao auge da evolução; é o mais ereto e segura um lança. Os três seguintes portam, respectivamente, um rastelo, uma britadeira e um computador. É aí que está o humor! À medida que a ferramenta tecnológica vai evoluindo, o homem encurva-se, tornando-se cada vez mais “involuído”; essa “involução” prova sua incapacidade de viver sozinho, sem suas ferramentas tecnológicas. Por-tanto, a alternativa correta é a A.